Enquanto Jesus e seus discípulos caminhavam, alguém na estrada disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores”. Jesus lhe respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça”. Jesus disse a outro: “Segue-me”. Este respondeu: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. Um outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares”. Jesus, porém, respondeu-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”. LC 9,57-62
Hoje Jesus joga um facho de luz em nosso discipulado, atender as exigencias do chamado, faz a diferença entre um seguimendo de cabeça e de vida. No primeira caso o pretendente a discipulo queria seguir para onde quer que Jesus fosse, mas esta preso as “tocas e ninhos”, este queria um discipulado que favorecesse os seus enteresses. O segundo, recebe o chamado do Mestre, mas “primeiro” queria enterrar seu pai. Nada pode ser prioridade ao seguimento de Jesus, só tem sentido ocupar com outras coisas, mesmo as mais justas a partir do seguimento a Jesus. O terceiro queria segui-lo, mas primeiro queria “despedir” dos familiares. O seguimento a Jesus não tem despedida, pois não significa uma ruptura com a família e com os amigos, mas sobretudo envolve-los com o Reino de Deus e na atmosfera missionária. Jesus não nós pede para ser maior do que ele, essa seria uma tarefa impossivel, o que Ele nos pede é bem mais fácil: “Todo discipulo bem formado será como o seu mestre” LC 6,37. Vamos meditar sobre isso hoje? deixe seu comentário.
Bom dia, Deus te abençoe!